22 março 2017

Testemunho de Roberta

It’s my 5th month here in Lisbon, almost half of the experience.

My EVS project is in the Social Department of the Junta de Freguesia de Carnide.
When I arrived, I had no ideas about portuguese language, portuguese culture, or portuguese foods, just few portuguese people who I met around Europe that brought my attention on their world.



From the beginning I received a  great hospitality, first of all from SPIN association with a “welcoming lunch” to meet all the rest of volunteers and SPIN staff, and second at the Junta de Freguesia, where all of the workers try to explain their job, their roles, and their activity. My tutor has been very patience and helpful with me since the first day.


I started learning more about their past projects,which helped me a lot to understand their current work. I can’t say that my start was easy, expecially due to language barriers. I was trying to understand their reunions, their spechees, and I got lost so many times. I couldn’t be well involved to some activities, because my portuguese language was not good enough. Suddenly, everything started to change. I started to realize that in every situation you have to push yourself out from the Comfort zone. I started to realize that all the activities that I was doing during my office hours were part of a bigger change for other people, part of a big process to make their life better. I started to propose my ideas to be part of our social projects, and they were always appreciated, because in the Junta de Freguesia de Carnide, they always give you the opportunity to improve.

 

Their calm and smile made me learn the power of giving importance to others ideas, because there is always a way to make it and to understand how important is to thank others in the end of their work. 
The social department  has such a broad work that goes from offering to the Carnide population a social assistent service; to create (sometimes with the collaboration of other departments) many interesting projects expecially to fight isolation of elder people; to teach prevention to youngs; organizing a repainting and renovations of social neighborhoods; preparing  “Caminhadas Solidárias” (Solidarity Walks), an event that serves to collec stuff for different target in each “Caminhada”, and where basically people come to walk and to give some donations; and also arranging big lunches to put a lot of people together and let them having fun. 

 

The Junta de Freguesia de Carnide is a Freguesia that works with the community and for the community, in a very close and friendly way, always putting others first. They collaborate with many institutions, associations and organizations (expecially of the Freguesia), because they believe in everybody’s work to build a better freguesia, creating connections. 


I still have to learn a lot from them! And the time is going so fast! 
Thank you 😊 
Roberta

17 março 2017

Testemunho de Pedro

Olá leitores,



O meu nome é Pedro, venho da Galiza (Espanha) para desenrolar um projeto de voluntariado no Bola P´ra Frente, uma associação sita no Bairro Padre Cruz (Carnide). Esta associação faz imensas coisas pelo bairro, sobretudo pelos jovens que vivem aqui.
Eu já tinha sido voluntário no meu país, mas esta experiencia que estou a viver aqui não tem nada a ver com aquilo. O fato de estar num país diferente, com uma cultura e um idioma diferentes faz que tenhas que abrires a tua mente para poder começar a adaptação a uma nova forma de vida.


Além disso, graças a este tipo de voluntariado, consegui conhecer pessoas de diferentes lugares de Europa. Não só conhecer, se não também partilhar e conviver dentro da mesma casa. Nunca tinha pensado que ia viver com pessoas da Polonia, da França, da Itália, da Croácia, da Hungria… e foi um descobrimento positivo para mim. Isto permite conhecer outras culturas e outros jeitos de vida o qual acho muito interessante.



Adoro a minha vida em Lisboa, é uma cidade cheia de vida onde sempre há coisas para fazer e, se não há, simplesmente podes desfrutar da sua luz, das suas ruas, dos seus miradouros, da sua mistura do moderno com o antigo, das suas músicas na rua… poderia continuar a dizer coisas e nunca acabar.



Depois destes quase 7 meses que estou a morar aqui, o meu balance é mesmo positivo: na associação, a nível pessoal, na adquisição de novas competências… Sei que ainda tenho mais 5 meses para continuar a tirar conhecimentos e vivenças, mas também sei que o tempo corre, e corre muito depressa por isso é que não posso desaproveitar nenhum só minuto.



Animo a todo mundo a que se informe de que é o SVE e se tem a oportunidade de o fazer, que não o duvidem já que é uma experiencia única na vida.

Pedro Zalabeite.




15 março 2017

Testemunho da Vania: estagio académico na Spin!

O meu estágio na Spin começou quase como uma brincadeira. Entrei em contacto com a equipa perguntando se teriam disponibilidade em receber-me como estagiária, mas sem qualquer esperanças de vir a ser aceite. Mas, felizmente, a Spin estava disponível e todo o processo burocrático desenrolou-se muito rápido. 
E, como que de repente passado mais ou menos um mês depois de ter entrado em contacto com a Spin, estava eu no primeiro dia de estágio, bastante nervosa.



Porém, logo nos primeiros momentos percebi que não havia motivos para estar nervosa, senti-me bastante à vontade para colocar todas as minhas dúvidas, e falar com os membros da equipa da Spin, uma vez que todo ambiente de trabalho é bastante envolvente e simpático.
O meu estágio começou há duas semanas, e embora ainda esteja num período de adaptação, estranhamente tenho a sensação que estou a estagiar há bastante tempo. Nestes primeiros dias, o meu trabalho tem sido muito diversificado, desde ajudar na preparação de diversa documentação, efectuar algumas traduções, ajudar no tandem de línguas, onde ajudo quem queria aprender português, ou posts no Facebook. E assim os dias têm sido muito diferente entre eles, e passam muito rápido.



A hora de almoço é um dos momentos que mais gosto, não por estar sempre a morrer de fome, mas porque é onde através dos voluntários de SVE fazemos viagens até países como a Polónia ou a Croácia através da comida, pois eles confeccionam as comidas dos seus países de origem dando a conhecer um pouco das suas culturas. Também gosto bastante da oportunidade de falar diversas línguas, por vezes, num só dia falo português, inglês e espanhol com os voluntários. E é uma excelente oportunidade para praticar e aprender mais.



Vania!:)

14 março 2017

My first week on EVS

This time last week I was on my flight to Lisbon - the city where I’ll be spending the next nine months doing my EVS.  Although I was very excited and looking forward to this change, leaving home wasn’t easy. I didn’t really expect to be selected so the news surprised me, and then I had less than three weeks to prepare for my move to Portugal! Having to deal with annoying bureaucracy and practical stuff didn’t leave much time for me to process everything or think about where am I going, what to expect and how do I even feel about it. It all had to wait until the day of my departure - my mom’s birthday - when we left early in the morning to get to the airport in time for my flight.


The official begining of my EVS
View from one of miradouros
Santa Maria Maior de Lisboa
I had the next 10 hours to ponder the fact that I’m actually moving to another country, among new people whose language I don’t speak. The mixture of curiosity, excitement but also some sadness and fear of the unknown left me feeling confused, but all of the negative feelings went away the moment I arrived to Lisbon airport where one of my new flatmates, Kasia, met me.

Kasia’s positivity and a huge smile on her face pretty much marked what the next few days would be like. Meeting my new colleagues at Spin, my mentor, roommates and other volunteers living in our apartment building - Casa Anjos - left me feeling very welcomed and accepted right from the start. It’s only been a while but I already feel like I’ve spent months in Lisbon. My time so far was filled with a good mixture of getting to know how Associação Spin works, what other NGOs are active in Bairro Padre Cruz, exploring the city’s touristic and local spots and hanging out with my new friends.
Some things feel really familiar, some are completely new and different, but most of it feels just a tiny bit off from what I’m used to! Not enough to give me a complete culture shock, but sufficient to leave me wandering the supermarket for too long while contemplating why the eggs aren’t kept in the fridge and how do people here cook soup if they can’t buy “grincajg” at the market! The curiosity goes both ways - I’ve already been given strange looks after mixing my white wine with sparkling water :)

Jardim Gulbenkian
But all of these differences are part of what will make my EVS a unique and interesting experience, and I can already tell that I made a great choice by coming to Lisbon!

Ana

13 março 2017

O testemunho da Lucía: "Uma nova aventura em Lisboa"


Olá! O Meu nome é Lucía, com acento no “ Í ”. Tenho 27 anos e sou de nacionalidade espanhola. Nasci na formosa terra de Galiza, na cidade da Corunha.




Tirei a Licenciatura de Professora de Educação de Infância porque encanta-me estar com crianças, gosto de aprender e ensinar, posso confortá-los quando estão tristes e sentir que sou importante no seu caminho, posso rir e brincar como uma menina com eles... 
Portanto, a minha experiência profissional baseia-se na área de educação: babysitter, educadora em creches e escolas públicas, contadora de histórias numa biblioteca... O ano passado foi muito especial para mim porque estive a fazer um estágio, através do programa Galeuropa, num centro de acolhimento temporário para crianças em perigo chamado “Casa das Cores”, em Lisboa. Foi uma vivença tão positiva que fiquei com muita vontade de voltar a esta cidade com tanto charme.
No mês de Fevereiro, candidatei-me através da Asociación Mundus a uma vaga de Serviço de Voluntariado Europeu na Junta de Freguesia de Lumiar para o projecto  “Make a Move!”. Foi uma surpresa enorme ser a pessoa seleccionada e sinto-me muito afortunada.
O 1 de Março começou a minha aventura. A Associação Spin, a minha organização de acolhimento, recebeu-me com um maravilhoso almoço de boas-vindas onde conheci a outros voluntários. Há um pessoal muito fixe neste sítio e desde o primeiro momento senti-me como em casa.





Até agora levo três dias como voluntária no CAF de São Vicente, em Telheiras. Embora os primeiros dias são um período de adaptação, já estou a fazer muitas actividades giras. Por exemplo, fui visitar a Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa (APCL) e participei numa dinâmica com crianças da escola que consistia numa gincana ao ar livre. Os meninos coordinavam as actividades e jogavam com as pessoas da APCL. Também fui membro dum júri num karaoke, monitor nas aulas de xadrez, basquetebol e teatro e guia no Museu Nacional de História Natural e de Ciência.
A educação não formal é uma área nova para mim, mas estou a comprovar que gosto dela. Tenho muita vontade e motivação para superar tudos os reptos que ficam nestes 9 meses de voluntariado, aprender muitas coisas e aportar a minha percepção de professora. Em resumo, espero contribuir de forma positiva neste programa e viver uma experiência inolvidável.


Lucía 

10 março 2017

First 10 days in Lisbon

I don't like this part very much, but let's put first things first. I am Petra Mršnik from Slovenia and I am new EVS volunteer in Associação Spin. I will stay here till December.
So ... how did I spend my first 10 days in Lisbon? What did I see? What did I notice? You should know it is impossible (and also senseless) to write down everything, so here is short sum up of my past 10 days :)

This is first (and so far the only) picture of me since I am in Portugal.
One of the first things I noticed are the metro stations. I like their "outfit" so much (or should I said "infit" :P). Each one of them is designed in different style. And even though stations look different one from another it doesn't look kitschy or confusing. Everything is so aesthetic and very very interesting. Here is the link to one very good article (with a lot of pictures) about art in Lisbon metro stations. And I think there is also connection between station's name and its design, for example metro station Laranjeiras (eng. Oranges) is furnished with tiles of full oranges, orange slices and orange trees, then there is metro station Cidade Universitária (eng. University City) that is full of nice quotes and wise sayings. So maybe this can be an idea how to spend rainy day in Lisbon.
On my way to work on Wednesday, Mach 8th, I noticed that some girls and women held flower in their hand and I was so happy to see it. I didn't know that international women's day is well known in Portugal, I thought it is not so well recognised in West part of Europe. And surprise surprise, one man came into our office later that day and guess what, he gave each one of us one flower. And I am still hapy for this flower, :)

Flower in the glass is the one I received :)

Talking about office ... Everybody is so nice and helpful (and as one of co-workers said "so young" ;)). We (new EVS volunteers) were accepted very nicely, they made welcome lunch for us. In the next days our tutor showed us working place, presented ongoing projects, following events, responsibilites and duties we have etc. I like the atmosphere in our office and I think I will like my work too :)

On the way to the office
One of the things I find interesting here is the high moisture in the air. I haven't noticed that by smell or anything similar, I noticed it on my body, because it took so looong for my hair to get dry (I don't have hair dryer), but (there is always but) I also noticed my skin is so soft and smoothy here without any care. I would usually put oil twice a day and here I can put ut just twice a week. Amazing, I like the high moisture in the air and its impact on my skin :)

Ponte 25 de Abril
(One of two bridges that connect Lisbon and municipality of Almada)

Another thing I learnt at the very begining of my staying here is there are two main football clubs in Lisbon, Benfica and Sporting. How did I learn that? I share appartment with 3 Portuguese students. I am so happy and so lucky about it. I can really see how they live, I get to know the culture and language quicker and socialization with locals is much easier for me. I really like it. And I also like I don't live with the same people I work. But please, don't understand me wrong, I like them very much! But I also believe it can be very hard and challenging to spend all day and every day in the company of the same people. So, one more time, I am happy to live with locals :)

Project Eco Corner in my new home (signs for waste sorting)
Otherwise, I feel very busy those days. There are so many things I want to see, so many places I want to visit and discover, so many articles I want to read about Lisbon and Portugal, and then I also want to arrange/change/design appartment a bit, I want to have time to learn Portuguese language, and of course I need to socialize ... Aaaa, there are too many things. I have to relax, enjoy my time and be thankful I am here. Weekend, here I come :)

See you,
beijinhos, Petra

Lo bueno si breve, dos veces bueno


Aquele é um ditado espanhol que vêm a dizer: quando uma coisa que é boa é breve, e duplamente boa. Pelo fato da brevidade, que exige desfrutar o ao máximo, porque sabes que têm uma data de fim…


Meu EVS na Associação Spin em Lisboa foi uma experiência inolvidável, daquelas que passam a formar parte importante da tua vida, daquelas que construam a tua pessoa e te acompanham no futuro. Se tivesse que definir meu EVS numa palavra, sem dúvida seria: ENRIQUECEDOR.
Tem sido um grande prazer conhecer pessoas de todos lugares do mondo, desde Tailândia até Estónia, passando por Palestina, França, Itália…e mais. Nem todos os momentos foram bons, as vezes é difícil fazer funcionar as relações entre pessoas com tão diferente visão da vida; mas quando acontece, esse entendimento entre duas pessoas que nem falam a suas próprias línguas entre eles... GUAU! Aquelo consegui voltar a esperança mesma na humanidade! E este é só um pequeno exemplo do que acontece num EVS...


Também conhecer novos lugares cada dia, experimentar novos sabores, sentir novas sensações, aprender a lidar com elas sem morrer no intento, aprender a estar muito acompanhado e sozinho as vezes também; crescer, no mais amplo sentido da palavra.
A sorte minha que o EVS também foi um passo para a minha carreira profissional, consegui um emprego nesta cidade que adoro e alargar assim a conexão com aqueles  dias como voluntária e começar uma nova vida.

Elena